Quer chamar a atenção para sua empresa? Mexa na Logo!

Se de vez em quando você muda seu visual, usa o cabelo ora mais curto, ora mais comprido; pinta sua casa de cor diferente ou muda de endereço a cada X tempo – tudo com objetivo de dar uma chacoalhada e fugir do desgaste da rotina -, por que não faz isso com a logomarca de seu negocio?

Pois é. Quantas vezes o empresário se vê aquele dilema: Como é que eu chamo a atenção do publico para minha empresa?  Ainda mais em setores muito concorridos. Aprimorar ou trocar de logomarca pode ser uma excelente alternativa para pequenas ou grandes companhias. Exemplos não faltam: Embraer (mudou a logo após 38 anos!); Bradesco; em Brasília a Royal Empreendimentos Imobiliários (levou uns 30 anos para isso) e o Grupo Brasal.

Mas não pensem que basta desenhar uma letra assim ou assado que a situação se resolve. Quem não é do ramo de Comunicação, dificilmente compreende porque é necessário um estudo completo envolvendo a logomarca. Isso o meu sobrinho que mexe com Photoshop faz, e bem mais barato!. Já ouviram isso muito por ai né?

Se a logo adotar linhas que simbolizem a sua cidade, isso cria uma identificação com o local de origem, o que sempre pega bem junto ao publico.

Não é simples assim. A logo deve provocar uma reação emocional em quem a enxerga pela 1ª, 2ª, 3ª vez e sempre que se deparar com ela. A logo tem que facilitar a identificação imediata da empresa pelo publico e traduzir o espírito do negocio que ela representa. Por exemplo, ao agregar figuras humanas a uma logo, uma empresa passa sociedade a imagem de que ela se importa com a população ou com seus colaboradores, clientes etc. Se adotar linhas gráficas que simbolizem a arquitetura da sua cidade, cria uma identificação com seu local de origem, o que sempre pega bem junto ao público.

Para chegar a esse resultado de atingir positivamente a sociedade, é preciso contar com uma agência de publicidade e propaganda. Lá trabalham profissionais criativos e experientes na arte de compreender a filosofia do cliente e traduzi-la em uma imagem, muitas vezes simples à primeira vista, mas que vai carregar em sua simbologia a história de uma empresa por um longo prazo. Não dá para o sobrinho – aquele do Photoshop -, quebrar um galho tão grande assim…

Sérgio Cross é jornalista, Assessor de Imprensa do Sinapro/DF

Publicado no Jornal Correio Braziliense em: 09/09/2007

Compartilhe

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on print
Share on email