O valor do nosso trabalho

Não sou palestrante. Sou apenas e tão somente um conversador ou contador de histórias. Há tempos fui convidado por uma faculdade de uma importante cidade do interior para falar sobre o valor da propaganda a um grupo de quase 100 jovens estudantes,  professores, alguns empresários (anunciantes diretos)  e dois diretores de e veículos da cidade e região.

Já durante as  apresentações, percebi que entre eles havia um grupo de oito ou dez pessoas que claramente não acreditavam no trabalho de agência  e se dispunham a contestar o valor de nossa atividade, com base no besteirol e em toda a imbecilidade que se fala por aí em torno de uma  suposta culpa da propaganda por vícios como fumo, bebida, drogas  e até  pela geração de fake  news  que tantos males vem provocando em alguma esferas, como a politica por exemplo. E como se não bastasse, essas pessoas diziam que a propaganda era um dos insumos mais caros que uma empresa poderia contratar para o seu trabalho de informar o publico consumidor.

 É claro que resolvi aceitar a provocação.

Entendi aquilo como uma boa oportunidade  de fazer uma defesa mais enfática da nossa atividade e foi  uma das melhores chances  que já tive de falar sobre os valores éticos, morais  e profissionais da propaganda  como fonte geradora de progresso, formadora de profissionais de publicidade, relações públicas,  designe, artes gráficas e criadora de uma rede de meios de comunicação,  da mais alta qualidade em rádio, televisão, mídia impressa, out door, indústria gráfica etc. etc.  e etcetera .

Falamos bastante sobre a história da propaganda e, como em todo o mundo, particularmente no Brasil, esta atividade prestou uma grande colaboração para ensinar muita gente a tomar banho com sabonete, escovar os dentes com creme dental, a usar os eletro domésticos e ainda continua ensinando  a usar tudo o que a  inteligência humana é capaz de desenvolver.

Na conversa com aquele público tão heterogêno e de idades diferentes, fizemos alguns testes de memorização de marcas e seus slogans, exatamente para desmascarar a informação de que  propaganda é um insumo dispensável e muito caro  e não teve quem não lembrasse de criações geniais como ” O primeiro sutiã…” Pirelli é mais pneu…”Café Seleto…” Xerox…” Atlantic – quem não é maior, tem que ser o melhor…” Melhoral… “Cobertores Parahyba…” Maizena, Hipoglós, Brahma, Antarctica e muitos outros. Isso tudo gerou uma boa discussão em torno da criatividade e talento do publicitário  brasileiro. Valeu a pena.

Mas o ponto alto da conversa  foi quando perguntamos se alguém lembrava do slogan da Bayer e todos, sem exceção, responderam numa só voz:

“Se é Bayer é bom…”

E aí foi fácil provar que a propaganda resiste ao tempo e ao vento e é o insumo mais eficaz e mais barato que existe. Se é Bayer é bom, foi criado por um poeta e publicitário, Bastos Tigre em 1923, a Bayer deve ter pago uns  trocados ou mesmo nada e muito habilmente, está usando até hoje.

Mas uma verdade que não  podemos esconder é que temos que continuar defendendo  nossos valores éticos, morais e profissionais como já fazíamos há mais 60 anos.

Este é o nosso principal compromisso profissional.

Humberto Mendes
VP Executivo

FENAPRO – Federação Nacional das Agências de Propaganda
humbertomendes@fenapro.org.br

A crônica acima  foi publicada  em meu livro Crônicas de Propaganda

(segunda  edição revista, atualizada e felizmente esgotada) 

Compartilhe

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on print
Share on email

Assine Nossa Newsletter

Receba em primeira mão, no seu e-mail e celular, Informações de valor para o marcado.